A História

Folha de Niterói

(Niterói, Brasil), 1998

“Os bailarinos levaram o Teatro Municipal ao delírio, apresentando coreografias geniais.”

Marga Riera

Il Periódico Independente (Alteia, Espanha), 2002

“(…) Esta compañía de “Bailado Contemporáneo”, tiene tan sólo cuatro años de vida y ya está situada entre una de las formaciones punteras en el mundo da las danza europea. (…)”

Anna Kisselgoff

The New York Times (Nova Iorque, EUA), 2004

“The dancers in the Portuguese Contemporary Dance Company, among the best seen in New York this year, are in a perpetual funk at the Joyce Theater in ”Amaramalia-Abandono,” an ensemble piece set to fados recorded by Amalia Rodrigues. (…)”

Ralf-Carl Langhals

Mannheimer-Morgen (Ludwigshafen, Alemanha), 2006

“(…) A Companhia Portuguesa de Bailado Contemporâneo, de Lisboa, capturou este sentido através da dança, provando-o amplamente ao longo de duas impressionantes apresentações no Ludwigshafen Pfalzbau Theater.”

A CPBC foi fundada em 1998, por Vasco Wellenkamp e Graça Barroso.
Pensada como uma Companhia de Repertório original, na linha técnica e estética do Ballet Gulbenkian onde Vasco Wellenkamp foi durante 20 anos o seu coreógrafo principal, a CPBC tornou-se um lugar onde coreógrafos, bailarinos, criadores e intérpretes de outras áreas artísticas puderam pesquisar, desenvolver e amadurecer as suas linguagens.

Com um repertório principalmente coreografado para si, pelo seu diretor artístico e com um grupo de bailarinos de grande qualidade técnica e artística formados, a Companhia conquistou ao longo da última década uma excepcionalidade e uma reputação na dança contemporânea reconhecida internacionalmente. Para além das obras de Vasco Wellenkamp, criaram exclusivamente para a Companhia, Nils Christe, Rui Lopes Graça, Gagik Ismailian, Henri Oguike, Nathalie Bard, Tíndaro Silvano, Rita Judas, David Fielding, Rami Levi, Darshan Singh Buhller, Ronald Malzer, Jan Linkens, Benvindo Fonseca, Barbara Griggi, Pedro Goucha Gomes, Claúdia Nóvoa, André Mesquita , Clara Andermatt e Patrick Delcroix.

Paralelamente à sua programação regular a companhia desenvolveu um programa pedagógico com espetáculos especialmente concebidos para crianças e jovens em idade escolar. Promoveu colóquios, acolhimentos de diferentes áreas artísticas e workshops dirigidos a bailarinos em formação e bailarinos profissionais.

De 2008 a 2010 a convite de Vasco Wellenkamp, Liliana Mendonça assume a Direção Artística da CPBC. Enquanto Diretora Artística da CPBC, recupera obras de repertório da Companhia e simultaneamente formula convites a jovens criadores e desafia coreógrafos do panorama Nacional e Internacional a criarem obras especificamente para a Companhia, proporcionando um enriquecimento do seu repertório com estreias absolutas.

Em 2011, a Companhia Portuguesa de Bailado Contemporâneo viu três dos seus bailarinos reconhecidos, entre os cem melhores bailarinos do mundo, por um Júri Internacional reunido em Londres. Essa lista integrou grandes Companhias, entre elas, o Ballet de l’Opéra de Paris, o Ballet do Teatro Bolshoi, O Royal Ballet, o Dutch National Ballet, o Stuttgart Ballet, o Netherlands Dance Theater, o Ballet Rambert e o Ballet da Ópera de Berlim, entre muitas outras.

Em 2014, estreia o Bailado “Fado”, uma co-produção com a Companhia Holandesa Internationaal DansTheater, com coreografia de Vasco Wellenkamp. Em 2015 a CPBC é convidada para apresentar esta obra em Washington D.C., no Kennedy Center e no Arizona, Tucson (Cultural Center of Performing Arts), fazendo parte da representação Portuguesa na divulgação da Cultura Ibérica.

A CPBC, até ao presente, estreou mais de oitenta obras. Desde a sua fundação tem atuado em todo o País, tendo sido convidada a fazer parte da programação de vários teatros internacionais, tais como: Brasil (S Paulo, Curitiba e Niterói); Itália (em Roma, Terni, Rovigo, Palermo, Perugia, Mestre, Régio Calabria e Padova); Espanha (Madrid, Valladolid, Altea e Valência); Áustria (Viena e Graz); Alemanha (Osnabrück, Ludwigshafen, Remscheid, Hagen e Lörrach );Luxemburgo ; China (Macau); Israel (Telavive); Coreia do Sul ( Seoul); EUA (New York, Brooklyn, Suny Purchase , New Bedford, Arizona e Washington) e Holanda (Amsterdam).

A Missão

Anne-Kathri

Rheinische General Anzeiger (Remscheid, Alemanha), 2006

“Bravos para a Companhia Portuguesa de Bailado Contemporâneo com a sua obra “Amaramália” no Teo Otto Theater, Remscheid. (…) O public do Teo Otto Theater, respondeu-lhes com um retumbante aplauso que se prolongou por vários minutos.”

A missão fundamental da CPBC é a de promover a Dança como uma forma de Arte ao serviço do desenvolvimento da sensibilidade, da educação e da formação estética dos cidadãos. A sua maior ambição é a de continuar a conquistar o maior número de espectadores e fidelizá-los pela via da qualidade dos seus espectáculos. Reconhecida pelo traço inconfundível da linha artística que a identifica, a CPBC tem regularmente contribuído para a projecção da dança portuguesa no panorâma da dança nacional e internacional, objectico que perseguiremos no futuro. Com um vasto rpertório dançado por bailarinos de excelência, a CPBC continuará a criar novas obras e novas linguagens estéticas condizentes com o nosso tempo, fortalecidas no entretecido da técnica de dança clássica e contemporânea.

Paola Bruna

Il GAZZETTINO (Venezia - Mestre, Itália), 2005

“Intermináveis aplausos receberam, a noite passada no Teatro Toniolo, a Companhia Portuguesa de Bailado Contemporâneo que com Amaramália-Abandono se impôs pela qualidade da dança, intensamente física e dramática, e pela complexidade das sequências interpretadas (…) ”

Lucinda Canelas

PÚBLICO (Lisboa, Portugal), 2004

“A Companhia Portuguesa de Bailado Contemporâneo esgotou anteontem uma das salas mais emblemáticas de Nova Iorque, o Joyce Theater. Numa noite em que a voz de Amália e a generosidade dos bailarinos cativou um público heterogéneo a que não faltou, sequer, Chelsea Clinton. (…).”

A Visão

Criação de um repertório coreográfico vivo, com uma identidade própria. Promoção da criação artística, desenvolvendo a dança enquanto forma de arte viva e multifacetada, levando-a junto do grande público, nacional e internacional.

A Visão

Criação de um repertório coreográfico vivo, com uma identidade própria. Promoção da criação artística, desenvolvendo a dança enquanto forma de arte viva e multifacetada, levando-a junto do grande público, nacional e internacional.

Os Valores

Dedicação à arte: Valorização da Dança e excelência da programação e execução artística.
Responsabilidade social: Cooperação com a comunidade educativa e rigor na gestão dos recursos.

Faz parte da nossa história

Junta-te a nós, deixa a tua marca.